Grande parte dos brasileiros desconhece o conceito de juros compostos

Por Leonardo Faria Lima – Departamento Econômico ACMinas

Lendo um artigo sobre finanças no site Informoney (Blog Terraço Econômico), fiquei preocupado com um dado estatístico alarmante referente ao desconhecimento dos brasileiros sobre o que é juros compostos.

A publicação explicita que 99,4% dos brasileiros desconhecem o conceito de juros compostos. A pesquisa foi realizada pela Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac), sendo originalmente divulgada no Jornal Folha de São Paulo.

No meu dia-a-dia como responsável do Departamento Econômico da Associação Comercial e Empresarial de Minas (ACMinas) e como coordenador do Correspondente Bancário do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG) na entidade, observo que muitos empresários não compreendem o significado de taxa de juros e a diferença entre o juro simples e composto, ou seja, detêm um conhecimento inadequado sobre finanças. Este desconhecimento também atinge pessoas com um elevado grau de escolaridade, tais como: advogados, engenheiros, médicos, jornalistas e até mesmos administradores de empresa e contadores.

A taxa de juros pode ser definida como a rentabilidade de um capital aplicado durante um determinado prazo. No âmbito do mercado de crédito, prefiro usar outra conceituação, onde a taxa de juros é entendida como a  remuneração do risco de não receber a quantia investida ou emprestada. Em outras palavras, o cliente ao adquirir um capital junto a uma instituição financeira, pode não cumprir a promessa de pagamento.

O crédito destinado para consumo possui um alto risco, fator que eleva abruptamente a sua taxa de juros. O cartão de crédito é um exemplo de produto financeiro dispendioso. Apesar de mídia televisiva alertar constantemente as pessoas sobre esta característica, muitas ainda fazem o pagamento mínimo ou parcial da fatura do cartão, assim, comprometendo o seu orçamento.

De acordo com os dados estatísticos do Banco Central (autoridade monetária do país) a taxa de juros do cartão de crédito rotativo pode chegar ao estratosférico patamar de 993,36% ao ano ou a 22,06% ao mês. O rotativo é o crédito adquirido pelo consumidor quando o ele paga uma quantia inferior ao valor total da fatura do cartão.

Os regimes de juros usualmente utilizados nas operações financeiras são os juros simples e compostos. Porém, qual a diferença entre ambos?

No regime de juros simples a rentabilidade do capital inicial é diretamente proporcional ao seu valor e ao o período / tempo de investimento. Já nos juros compostos, a mensuração da remuneração é baseada nos juros do mês anterior, isto é, o cálculo é juros sobre juros.

Por meio da instrumentação de um exemplo prático poderemos observar melhor a diferença entre os regimes.

Exemplo: suponhamos que se tome emprestado o valor R$ 1.000,00 pelo prazo de 5 anos à taxa de 9% ao ano (a.a.) Como mensuro o valor dos juros que deverão ser pagos?

  • Juros Simples

Apenas o capital inicial rende juros (proporcional a tempo e à taxa).

Fórmula: J = Cin

Onde: J (juros), C (capital inicial), i (taxa de juros) e n (prazo).

 

J = R$ 1.000,00 x (9/100) x 5

J = R$ 1.000,00 x 0,09 x 5

J = R$ 450,00

O montante (M) a ser devolvido será equivalente à soma do capital inicial (C) mais os juros (J).

 

M= C+J

M = R$ 1000,00 + R$ 450,00

M = R$ 1.450,00

  • Juros Compostos

Também denominado de juros capitalizados, pois, o juro gerado no período anterior será incorporado na estruturação de juros do período subsequente.

 

Fórmula: M = C(1+i)n

Onde: M (montante), C (capital inicial), i (taxa de juros) e n (prazo).

M = R$ 1.000,00 x (1+9/100)5

M = R$ 1.000,00 x 1,5386

M = 1.538,62

Para achar o valor dos juros (J) basta fazer a subtração entre o montante (M) e o capital inicial (C).

 

J= M-C

J= R$ 1.538,62 – R$ 1.000,00

J= R$ 538,62

Podemos efetivar o cálculo por meio de outra forma:

Capital Inicial (R$) 1.000,00
Juros (% ao ano) 9,00
Prazo 5 anos
Ano Valor Presente (R$) Valor Juros (R$) Saldo atualizado no final de cada ano (R$)
1 1.000,00 90,00 1.090,00
2 1.090,00 98,10 1.188,10
3 1.188,10 106,93 1.295,03
4 1.295,03 116,55 1.411,58
5 1.411,58 127,04 1.538,62

O exemplo edificado ratifica que no regime de juros simples somente o capital inicial rende juros e este é diretamente proporcional à taxa e ao prazo e que no regime de juros compostos, o cálculo é baseado nos juros oriundos dos períodos anteriores.

Além disso, é relevante salientar a forma na qual os regimes são empregados. O juro simples é habitualmente usado para operações de curto prazo e o composto para operações de médio e longo prazo (financiamentos, empréstimos bancários, dentre outras).

Infelizmente, no Brasil ainda não temos uma educação financeira desejada. Perante este contexto, observamos que os brasileiros não estão preparados para gerir a sua vida financeira de maneira eficaz. O desconhecimento de conceitos básicos inerentes área financeira permite que muitos indivíduos entrem em armadilhas pertencentes ao mercado financeiro e consequentemente elevem suas dívidas.

COMPARTILHAR:

COMENTÁRIOS:

Deixe o seu comentário!